Buscar
  • Cristina Carvalho Tomasi

CONHECENDO UM POUCO :Transtorno do Espectro Autista (TEA)

Autora Cristina Carvalho Tomasi.


A Organização Mundial da Saúde (OMS) caracteriza a Síndrome de Asperger como um dos transtornos do espectro do autismo ou condições do transtorno global do desenvolvimento, nos quais são um espectro de condições neurológicas que se caracterizam por dificuldades na interação social e na comunicação, além de interesses ..

Mas sabemos que a definição vai um pouco mais além, o autismo principalmente na intensidade dos sintomas, estando mais evidenciado em algumas pessoas. Contudo nos casos mais leves não se notar a presença dos sintomas por muitos anos antes de ser feito o diagnóstico. Para diagnosticar a síndrome de Asperger, os pais devem levar a criança à consulta com psiquiatra infantil assim que os sinais forem notados, de forma que uma avaliação física e psicológica da criança podem ajudar para fechar possível laudo .As pessoas com essa síndrome apresentam desenvolvimento normal, aprender a falar, escrever ou pensar, tendo, muitos casos de inteligência acima da média. Necessitando de uma rotina muito bem estruturada, do contrario ficam muito confusos e possivelmente incomodados .Alterações em trajetos ou horários para atividades ou compromissos não são bem aceitos, mudanças não são bem-vindas. As pessoas com essa síndrome tem foco por muito tempo em atividades que as cative ficando entretidos com a mesma coisa, um assunto ou objeto, por exemplo, por muito tempo. Apresentando maior sensibilidade aos estímulos, como luzes, sons e texturas, o que pode animar ou irritar a pessoa de uma forma extrema.

Conforme (apud CAMARGOS, 2005) organiza uma lista de orientações para conduzir melhor as crianças com síndrome de Asperger:

- Procurar, na medida do possível, manter uma rotina (hora/atividades/local/objetos); - Manter condições de certa estabilidade evitando muitas transições com frequências (mudar de escola, empregadas, tipo de alimentos); - Oferecer um ambiente previsível e com segurança (evitar surpresas); - Evitar situações de esperas prolongadas (causa ansiedade, choro e crises de agressividade); - Visar gradativamente ir ampliando a gama de interesses que tende a ser restrito e repetitivo (brinquedos/comidas/objetos); - Explicar com clareza as ideias implícitas que eles não conseguem entender; - Facilitar, oferecer ajuda nos contatos e interações sociais (dar modelo de brincadeiras); - Dar oportunidade de mostrar suas habilidades, suas áreas mais bem desenvolvidas; - Ajudar na sequência de uma conversação, quando for observada certa repetição ou colocações fora do contexto social; - Minimizar situações onde eles apresentam situações inapropriadas de estranheza ou excentricidade; - Dar oportunidade de se organizarem evitando serem tachados de “nerds” facilitando um melhor convívio em alguma atividade em grupo; - Aproveitar seu nível normal de inteligência e linguagem e oferecer tarefas que possam desenvolver com sucesso e em consequência serem melhor aceitos; - Evitar que os colegas os enganem, pois são facilmente passados para trás; - Ficar atentos à sua fala, pois o discurso é bom, porém o conteúdo da comunicação é pobre; - Ensinar regras sociais simples, aquelas que as demais crianças aprendem sozinhas; - Evidenciar as metáforas que eles não captam (explicar a piada); - Dar modelo de interação social, apresentar o colega, conduzir uma pequena conversa; - Explicar a elas, quando apresentarem uma resposta inadequada a uma situação social que envolve uma emoção, que elas não foram capazes de entender; - Sugerir à família que os ajudem a melhorar sua performance de coordenação motora geral; - Treinar na área de educação física; - Evitar competições na medida do possível; - Ajudar a desenvolver jogos que visam melhorar habilidades motoras; - Oferecer atividades de artes, visando melhorar a coordenação motora fina; - Prevenir situações de possível estresse visando evitar explosões de raiva e choro; - Evitar situações surpresas, prevenir, preparar para mudanças e situações novas; - Ensinar as regras de modo claro e adaptar a regra à necessidade específica daquela criança; - A equipe da escola deverá ser orientada sobre as peculiaridades dessa criança (professor de música/educação física, pessoal da segurança/ limpeza); - Ficar atento às mudanças de comportamento, condutas depressivas, isolamento, mutismo ou crises agressivas, - Oferecer um modelo de rotina diária em casa e na escola, evitar rigidez e condutas repetitivas; - Enfatizar junto aos colegas suas habilidades; - Oferecer estímulos visuais como mapas, esquemas, eles são hábeis nesta área; - Procurar usar técnicas acadêmicas visando diminuir a alienação e instabilidade; - Ensinar a eles como melhor expressar seus sentimentos de medo e suas ansiedades; - Dosar as cobranças, organizar planos de estudo e tarefas, criando rotina sem sobrecargas, passo a passo; - Oferecer ajuda sistemática nas tarefas que exijam raciocínio abstrato, o aprendizado deles é essencialmente concreto (na matemática); - Ajudar a desenvolver aspectos da compreensão, pensamentos verbais, abstrações e fantasias; - Fazer paralelo entre mudanças no tempo e no humor, mas emoções. Dar exemplo: alegria / tristeza / raiva / prazer / amor; - Dar modelos de solução de problemas, passo a passo, problemas de matemática e problemas da vida diária; - Saber perceber a diferença entre seu ótimo nível de leitura e sua fraca capacidade de interpretação e compreensão; - Oferecer explicações mais concretas. Dar exemplos a situações muito abstratas; - Ensinar sobre comportamentos em diferentes locais: igreja/esta/escola/parque...; - Evitar situações repetitivas e estereotipadas, ensinar a brincar de faz de conta; - O educador é fundamental como modelo, ser calmo e afetuoso; - Definir com clareza noções de propriedade – o meu, o seu, o nosso; - Enfatizar, clarificar as regras do jogo; - Ensinar ou mesmo treinar normas sociais, o que é certo, o que é errado, o que pode, o que não pode; - Enfatizar explicações sobre aspectos ligados à censura. Conduta adequada, ao lugar certo (principalmente condutas sexuais, exemplo masturbar em público); - Oferecer na medida do possível um ambiente de trabalho estável, quanto ao local / horário / tarefas e pessoas.


"Ensina-me de várias maneiras, pois sou capaz de aprender!"

Cintia Leão da Siva Costa



ENTREVISTA: Meu nome é Andréia Pichorim tenho 41 anos.

FORMAÇÃO :


· Estuda Doutorado em Engenharia e Ciências dos Materiais em UFPR (Universidade Federal do Paraná)

· Estudou Mestrado em Engenharia Civil na instituição de ensino Ppgec Utfpr

· Estuda Engenharia Civil em Unifacear

· Estudou Língua inglesa na instituição de ensino Comunica Campus Curitiba UTFPR

· Estudou Licenciatura em Quimica na instituição de ensino UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná

· Estudou Licenciatura em Construção Civil na instituição de ensino UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná

· Estudou Idioma Inglês na instituição de ensino PUCPR

· Estudou Mestrado Profissional em Meio Ambiente Urbano e Industrial na instituição de ensino UFPR (Universidade Federal do Paraná)

· Estudou Tecnologia em Construção Civil com especialização em Concreto na instituição de ensino UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná

· Estudou Técnico em edificações na instituição de ensino UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná

· Solteira

Definição do autismo segundo Andreia: são pessoas diferentes com algumas habilidades diferentes das normais, explicação simples que ouvi as crianças nascem com uma quantidade a mais de ligações nervosas. De sinapses e até elas completarem um ano. Essas sinapses de preferencia são mantidas e as demais desligadas no autismo ou são mantidas parcialmente ou não são desligadas. Mais sinapses mais confusas apresenta déficit de atenção ou autismo com facilidade aprendizagem em algumas coisas e pelo excesso de informação pode entrar em uma espécie de curto por isso pode ter mais sensibilidade em cheiros, cores e textur a .Os autistas são todos diferentes mesmo os de alta funcionalidade entre si, pois depende das sinapses mantidas no cérebro . Primeiro eu tive diagnósticos de altas habilidades e superdotação depois da minha filha apresentou também autista,tinha dificuldades interação social ,cheiros ,lugares e mudanças inesperadas novos ambientes ,mudança de horário de aula me deixava muito irritada, comecei a estudar o que poderia ser e cheguei nessa palavra autismo e consultei especialistas fiz três meses de consultas seguidas com psicólogos e encaminharão para neurologista e psiquiatra que laudo como asperges atualmente TEA.

O autismo não tem algo que desencadeia ele, a pessoa já nasce com as sinapses que vão desencadear as que ficam desse autismo, mas existe os surtos que quando tem algo que incomoda muito você pode entrar em crise se isolar ou chorar algumas pessoas tem estereotipias se balançar para esse acalmar .Ai depende da pessoa em si o que como ela funciona, para mim funciona estar debaixo das cobertas quentinhas eu consigo me acalmar ou um abraço normalmente de alguém bem conhecido .me incomoda muito cheiros perfumes adocicados ,cigarro ,luzes. Já me incomodou de ir no supermercado de ter que sair de tontura enjoou ,barulhos altos causam dor como se fosse batendo no meu cérebro no liquidificador. Mudanças repentinas de trajetos ou lugares novos muito tumultuados ,festa de aniversario são coisas que não me sinto muito a vontade, onde eu tenho que interagir e não consigo manter conversa com mais de uma pessoa se for para falar de mim no particular .

Como sou professora e estou no controle eu consigo conversar, contar piada para meus alunos, brincar, mas é um personagem diferente do que eu tenho na vida pessoal. Foi comprovado através de artigos científicos que 81 % dos casos de autismo são genéticos e então ainda esta se discutindo isso na literatura medica o percentual dos fatores ambientais é bem pequeno.

Existe tratamentos para tentar estabilizar o autista humor ou tentar diminuir a sensibilidade existe terapia sensoriais .

Tem crianças que precisam de Fonoaudiologia e de terapia para coordenação motora e para conseguir andar ,terapia comportamental para tentar entender sobre as crianças normais.

“Existem para as crianças normais livros mencionando como são as crianças com autismo mas não tem um livro falando para os autistas como são as pessoas normais. O autista também tem dificuldades em entender as pessoas normas como funcionam e por quê são diferentes”?

Meu aprendizado é : consigo memorizar muito fácil, consigo aprender por imagens .desenhos ,consigo memorizar lugares ,rosto as vezes não memorizo por exemplo ir em uma loja no shopping, eu sei aonde a loja esta mas não sei o nome da loja ,textos leio bem rápido 50 a 100 paginas por dia ,tenho a necessidade de terminar as tarefas que começar ,comecei preciso acabar ,não gosto muito de cálculos ,tenho dificuldades de interagir como meus colegas de faculdade para trabalhar em equipe de laboratório também. Qual diferença do cérebro normal para o autismo não sei, pois não sei como as outras pessoas aprendem. Sou extremamente carinhosa e apegada a minha filha tem 15 anos também é autista faz medicina UFPR , sou muita carinhosa com meu pai e gata e os demais familiares não tenho tanta aproximação .

Essa questão de relacionamento tem afinidade são poucos, mas é profunda. São poucos que tenho afinidade, mas são duradouros e não se perde com o tempo como hoje nos vemos amigo agora e daqui seis meses não,para o autista amigo é amigo que sempre poderá contar e para todas hora.

Altas habilidades foram diagnosticadas antes, gosto de dança,quebra cabeça galinha bichos ,amo rosas e chácara ,estou mais direcionada a estudos, pois em relacionamento não estou conseguindo me relacionar muito bem.

Estou oito anos separados e não consigo me relacionar com alguém, sou muito tímida e gosto de falar dos meus assuntos preferidos se for muito diferente a conversa não consigo dar continuidade a mesma.


Gratidão a doutoranda Andreia ao ser humano extraordinário que és,pela sua humildade e gentileza!



11 visualizações

Educação, Diversidade e Novas Tecnologias